quinta-feira, 23 de maio de 2013

A Igreja brasileira e seus deuses.

                                      Assim como na foto, queremos moldar Deus a nosso gosto.



Depois de passar um tempo consideravelmente extenso sem publicar nada em meu blog, achei melhor começar essa nova etapa com um assunto que tem me incomodado. Venho notando que nas igrejas muitos deuses têm sido pregado, mas nenhum deles é o Deus bíblico e verdadeiro.

A idolatria tem afogado nossos irmãos e igrejas por todo o Brasil. Os tele-pregadores, os cantores, pastores, irmãos de nossas igrejas, nossos namorados e namoradas, esposo ou esposa, instituições dos mais diversos seguimentos, nossos bens materiais, nossos estudos... A lista é enorme do que tem um grande potencial de estar tomando o lugar em nossos corações que deveria ser de Deus, logo somos idolotaras, que lastima!  Mas não quero falar disso nesse texto, não hoje pelo menos. Esses deuses a que me refiro, não são esses que citei, mas as falsas e heréticas versões da pessoa magnífica de Deus.

Duas coisas percebi com essa reflexão. A primeira delas é que a igreja, ou seja, nos, não aceitamos Jesus, não nascemos de novo, não lemos a bíblia, não temos comunhão com Deus, logo desconhecemos a Deus. E a segunda observação é parcialmente consequência dessa primeira, como também resultado dos falsos ensinos dentro de nossas igrejas, por pessoas descompromissadas com a verdade pura e simples do evangelho. Trata-se de formamos um deus que seja exatamente como “precisamos”, seguindo nosso querer, vontade e tendência ao pecado. A grande maioria sabe os danos que o mercado gospel musical tem trazido a igreja. São músicas que pregam um deus que está disposto a fazer tudo que queremos. Isso é preocupante. Mas nos sermões da igreja de hoje, o ensino, a exortação, a mensagem da Cruz, o pecado, o inferno, não tem sido pregado. Prega-se apenas os benefícios de Deus, que Deus faz isso e aquilo, basta que nós determinemos isso. As pessoas visualizam e mentalizam um deus que ama seus pecados, que tolera nossa barganha, que podemos fazer Deus chorar por exemplo. O presbítero Jean da IEC do Calvário em Bodocongó III, disse há pouco tempo uma grande verdade: “Adoramos a Deus com um saco de açúcar, e queremos em troca uma caixa de chocolates da garoto.” O deus da barganha, que ama nossos pecados, que na ultima hora irá salvar todos da terra, mesmo os que não andaram em justiça e retidão ou que muito menos são convertidos, um deus que corre e chora por nós, um deus que nos obedece, um deus que apenas cura, apenas nos da bens materiais, um deus que salva segundo nossas obras... Eu estou cheio disso! “Assim diz o SENHOR: Por três transgressões de Judá, e por quatro, não retirarei o castigo, porque rejeitaram a lei do SENHOR, e não guardaram os seus estatutos, antes se deixaram enganar por suas próprias mentiras, após as quais andaram seus pais.” Amós 2:4. Judá se deixou levar por falsos ensinos, falsos deuses, na busca por negar ao Deus verdadeiro e se deleitarem em sua natureza pecaminosa sem culpa, e como vimos, Deus reprova a atitude de Judá veementemente.

A igreja do Senhor precisa se arrepender (Atos 2:38), a ter um encontro verdadeiro com Deus, estudar a palavra de Deus, ter comunhão com o Senhor, só assim para entendermos que Deus não é mutável aos nossos desejos, entender que Deus é amor, mas também justiça. Também precisamos aprender que devemos temer ao Senhor, obedecer a seus ensinamentos. Precisamos mortificar a carne e deixar Deus guiar nossas vidas. (Jeremias 42:6). Para finalizar, o Deus que devemos pregar, professar e crer, é o único que salva “Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há Salvador.” Isaías 43:11. Não vamos seguir o exemplo de Judá, que adotou Baal como Deus, para se deleitarem sem culpa alguma em sua carne e entendimento. Em 1ª João, capítulo 5, versículos 20 e 21 diz o seguinte: “E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém.” Ou seja, conheçam o Deus verdadeiro, porque a verdade esta nele, e não se sujeite aos falsos deuses, que assim seja!