sábado, 29 de junho de 2013

Santos e rejeitados... nunca por Deus!



Quem nunca ouviu essa frase, que já virou um jargão: “Fulano de tal só que ser santarrão!” ou “Esse cara (essa mulher) arrota santidade!” ou como diz um artista do hip hop gospel, “... tenha cuidado com as pessoas que arrotam santidade”. Pois é, santarrão, vomitando santidade, arrotando ser santo, tudo isso é veementemente repudiado pelos cristãos hoje em dia. De fato existe a pseudo-santidade, mas aos que a preticam, so ofendem a si mesmo, mas isso me preocupa. Preocupa-me pelo fato de que quem é santo, e reflete santidade, é o errado hoje em dia, dias esses que o “vale tudo” é tendência dentro das igrejas. O enraçado é que o “ser santo” é a vontade de Deus para aqueles que se dizem filhos amados do pai.
Um cristão que não é santo é uma contradição de tudo o que a Bíblia ensina.” (Stephen Charnock 1628-1680) Essa é uma grande verdade. O puritano inglês do século 17 Stephen Charnock traz a tona uma das grandes características da igreja inglesa, a santidade. Além dele, o Bispo J. C. Ryle, esse no século 18, fala com muita propriedade sobre esse tema em sua obra mais famosa, Santidade. Diferentemente dos dias de hoje, santidade era a marca do cristão autêntico, que fazia diferença. Que saudades desse tempo. Hoje, nesse tempo em que tudo é permitido, a santidade que Deus nos recomenda em várias passagens da bíblia, esta sendo mal vista pelos cristãos, que perigo! Quero aqui expor em três pontos do porque PRECISAMOS ser santos.  

Santidade, chamado de Deus!
Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação.” (1 Ts. 4:7
Deus nos quer santos. Isso mesmo. Santos! Nesse tempo de “tudo pode”, as imundícies tem tomado conta de nossas vidas, e não ao que fomos chamados, a santidade ao Senhor. Todos conheceram a história de Daniel e seus amigos, ele não se deleitou nas finas iguarias do rei, ele era justo, ele era santo, assim como o senhor é. Precisamos entender que Deus nos chamou pra sermos santos, e parar com essa história de “santarrão” para pejorativamente atingir pessoas que nos incomodam ou simplesmente não nos damos bem. E amados, um recado. Se você é chamado assim, não se incomode, você esta atendendo o chamado de Deus, e para você que sente-se incomodado com os santos, tente imita-los. Paulo mesmo nos orienta quanto a isso: “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo. (1 Coríntios 11:1)

Porque Deus é santo!
“Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver;” (1 Pedro 1:15)

Usando as palavras de Hernandes Dias Lopes, “Jesus Cristo é o nosso exemplo de vida supremo.” Devemos ser santos, também porque Ele é santo. Devemos seguir seu exemplo, devemos também nos espelharmos em seus seguidores. Paulo, Elias, Jeremias, Jonathan Edwards, C.H. Spurgeon, J. C.Ryle e tantos outros servem de inspiração e de modelo, além de Jesus. Mas sabe qual o grande problema? Os descolados, os legais, os maneiros, os exemplos muitas vezes não são os que buscam santidade, não são os que tem compromisso com Deus e sua obra, não são os cooperadores. São exemplos os que pregam a liberação total, os cristãos nominais, os que acham que o que da certo, é certo. Precisamos pensar a luz da bíblia, quais exemplos que seguimos. Cuidado em todos os seus passos amados!

Santidade, caminho para Deus!
Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; (Hb 12:14) 

O escritor sagrado do livro de Hebreus deixa bem claro que a santidade ao senhor é um caminho. Sem santidade amados, não veremos a Deus. Precisamos travar essa batalha interior. Sim, a santidade incomoda, mas deve prevalecer, morremos para nossas vontades e pecados. Vivemos para Cristo! Precisamos sim ser santos para que possamos ver à Deus, só assim conseguiremos amados!

Santidade deve ser marca em nossas vidas e servir de farol para outras pessoas. Incomodar outras pessoas a serem santas também. Não se incomode com a perseguição, as palavras duras de quem não entende que santidade é nosso dever, é nossa vida, é nossa marca. Sinta-se um privilegiado se isso acontecer, pois estará vivendo a vontade de Deus em sua vida, que é boa, perfeita e agradável. (Rm 12:2). Para encerrar e te encorajar a santificar-se perante ao Senhor, cito uma frase de um grande homem de Deus, Agostinho: “O pecado é o motivo da tua tristeza. Deixe que a santidade seja o motivo da sua alegria”



Lankaster A. Oliveira