terça-feira, 29 de outubro de 2013

496 anos da reforma protestante! Temos o que comemorar?



Todo bom cristão sabe o que se comemora no dia 31 de outubro. Se você respondeu “Dia das bruxas”, o famoso Halloween norte-americano, você errou! Todo cristão celebra o fato histórico que marcou o mundo ocidental, a Reforma Protestante. Mas depois de 496 anos fica a pergunta no ar: Temos o que comemorar? Ainda somos de fato “protestantes”? O que Wycliff, Hus, Lutero, Calvino ou Knox diriam sobre o protestantismo nos dias atuais? Precisaria a igreja de uma nova reforma, ou apenas voltar os olhos para a luta desses homens usados por Deus na idade moderna?
Depois de refletir sobre esses meus questionamentos, percebo o quanto a massa mundial que hoje declara ser protestante ou evangélica está distante dos ideais biblicamente fundamentados dos reformadores. Começo minha reflexão pela pré-reforma.
João Wycliff (1325?-1384), um sacerdote e professor da Universidade de Oxford, na Inglaterra, atacou as irregularidades do clero, as superstições (relíquias, peregrinações, veneração dos santos), bem como a transubstanciação, o purgatório, as indulgências, o celibato clerical e as pretensões papais. Seus seguidores, conhecidos como os Lolardos, tinham a Bíblia como norma de fé que todos devem ler e interpretar. Com esse pequeno e resumido relato desse pré-reformador me pergunto: A igreja atual vive isso? A luta desse homem de Deus foi em vão? Eu arrisco a dizer que sim! Hoje o movimento neopentecostal prega exatamente tudo que Wycliff lutou contra na idade média. Venda de artigos “sobrenaturais” como lenços, canetas, promovendo peregrinações a montes de oração, oração dentro do peixe, e tudo isso em troca de dinheiro. Venda de lugares celestiais e a veneração de seus líderes, os batizando em apóstolos, pai-apóstolo... Tem muito líder religioso querendo o “prestígio papal” medieval. E a bíblia como norma de fé que todos deveriam ler e interpretar devidamente? Isso chega a ser surreal nos dias de hoje, que pena! Outro pré-reformador, João Hus (c.1372-1415), um sacerdote e professor da Universidade de Praga, na Boêmia, foi influenciado pelos escritos de Wycliff. Definia a igreja por uma vida semelhante à de Cristo, e não pelos sacramentos. Dizia que todos os eleitos são membros da igreja e que o seu cabeça é Cristo, não o papa. Insistia na autoridade suprema das Escrituras. Hus foi condenado à fogueira pelo Concílio de Constança. Seus seguidores ficaram conhecidos como Irmãos Boêmios (1457) e foram muito perseguidos. Cristo a cabeça da igreja, não homens! A vida cristã é pautada em várias considerações e imposições de lideres religiosos que não vivem nem pregam cristo e o evangelho autêntico. Como estamos distante da reforma, como estamos distantes de Deus!
Continuo meu raciocínio e surge na minha mente os cinco pilares de todos os reformadores influenciados pela pré-reforma (Martinho Lutero, João Calvino, Jon Knox, por exemplo), as “cinco solas”: sola Scriptura, solo Christo, sola gratia, sola fide, soli Deo gloria. A igreja conhece ou vive esses fundamentos da fé reformada, voltada a Cristo e a sua divina palavra? Vamos meditar mais um pouco ponto a ponto.

Sola Scriptura. (Somente a Escritura)

2Tm 3. 16-17: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra".
 Somente a Escritura. Considerada o princípio formal, por ter sido através da Palavra que tudo começou, Sola Scriptura afirma que somente os 66 livros da Bíblia são a autêntica e inspirada palavra de Deus. Somente a Palavra de Deus é o manual de fé e prática de todo cristão, não mais os decretos papais ou de concílios. E nos dias de hoje meus amados, a igreja dita protestante/evangélica, tem prezado pela palavra? O que temos visto são igrejas sem púlpitos, cultos sem pregação expositiva, igrejas sem doutrinas. Somente as escrituras meus irmãos, são o poder de Deus para a salvação (Rm 1:16)

Sola Fide (Somente a fé)

 Efésios 2. 8: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”.
Não são os sacrifícios, não são nossas obras, não são indulgências, não são nossos esforços. Nada, absolutamente nada nos garante a salvação se não a fé em Cristo Jesus! Somente a fé, esse é outra das cinco solas que fundamentam nossa fé reformada. Quantas igrejas hoje não testemunhamos ignorando esse fundamento primordial para todo o cristianismo? Somente pela fé somos salvos!

Sola Gratia (Somente a Graça)

Efésios 2. 8-9: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se gloria".
 A única causa eficaz da salvação é a graça de Deus sobre o pecador, (Ef 2.8). Pela graça somos salvos mediante a fé, e isso não vem do homem é dom de Deus. Nenhuma obra por mais justa e santa que possa parecer poderá dar ao homem livre acesso a salvação e ao reino dos céus, ocorrerá isso Somente pela Graça de Deus.


Sola Christus (Somente Cristo)

At 4.12: "E não há salvação em nenhum outro: porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dentre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos".
O homem nada poderá fazer para sua salvação, pois Jesus Cristo realizou a obra da redenção ao ser sacrificado na cruz do calvário, vertendo o seu sangue como sacrifício por nossos pecados. Esse "somente" mostra a suficiência e exclusividade de Cristo no processo de salvação. Desde a eternidade Deus promove a aliança da redenção, onde o beneficiário seria o homem e o executor dessa aliança seria seu Filho unigênito "Jesus Cristo, o Messias prometido", portanto somente Cristo é o instrumento de nossa salvação.

Soli Deo Gloria (Glória somente a Deus)

Salmos 90. 2- “Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus”.
A igreja romana ensinava e exigia uma devoção ao clero e aos homens santos que poderiam interferir diante de Deus para perdão de pecados e obtenção de bênçãos para os homens. Quando se estava na presença do papa e dos cardeais a reverência deveria ser tamanha, beirando as raias de adoração, onde se demonstraria uma total submissão a estes.
Fundamentado nas Escrituras Ef 2. 1-10; Jo 4.24; Sl 90.2; Tg 1.17 e tantos outros textos, os Reformadores concluem que somente a Deus devemos dar glória.

Com base nisso, podemos constatar que a reforma foi um instrumento de Deus para que os homens se voltassem para Ele, para sua Palavra que transforma, liberta e salva! Como estamos distantes da reforma da fé em Cristo! Como a igreja brasileira e mundial caminha a cada dia mais distante da Palavra, da fé, da Graça, de Cristo, de Deus! Temos o que comemorar? Claro que sim irmãos! Através desse fato histórico fomos alcançados com a verdade libertadora do evangelho e do amor de Cristo! O ponto preocupante é como a igreja pouco se importa para isso. “Sou reformado”. Essa expressão chega a ser ridicularizada por muitos cristãos. Mas sim, somos reformados. Se não somos reformados, estamos distante daquilo que Deus chama de sua igreja! Muitos movimentos e falsos ensinamentos têm inundado as igrejas contemporâneas, mas se olharmos um pouco para nosso passado, e entendermos a reforma como ferramenta de Deus para vivermos a Cristo, ai sim seremos de fato a igreja de Cristo! Deus tenha misericórdia de seu povo! Não precisamos de uma nova reforma, ela já foi feita, desde a Cruz, passando pelos reformadores, até o dia de hoje! Reforme sua vida e viva plenamente em Cristo!

Sole Deo Gloria

Lankaster Almeida Oliveira