terça-feira, 29 de outubro de 2013

496 anos da reforma protestante! Temos o que comemorar?



Todo bom cristão sabe o que se comemora no dia 31 de outubro. Se você respondeu “Dia das bruxas”, o famoso Halloween norte-americano, você errou! Todo cristão celebra o fato histórico que marcou o mundo ocidental, a Reforma Protestante. Mas depois de 496 anos fica a pergunta no ar: Temos o que comemorar? Ainda somos de fato “protestantes”? O que Wycliff, Hus, Lutero, Calvino ou Knox diriam sobre o protestantismo nos dias atuais? Precisaria a igreja de uma nova reforma, ou apenas voltar os olhos para a luta desses homens usados por Deus na idade moderna?
Depois de refletir sobre esses meus questionamentos, percebo o quanto a massa mundial que hoje declara ser protestante ou evangélica está distante dos ideais biblicamente fundamentados dos reformadores. Começo minha reflexão pela pré-reforma.
João Wycliff (1325?-1384), um sacerdote e professor da Universidade de Oxford, na Inglaterra, atacou as irregularidades do clero, as superstições (relíquias, peregrinações, veneração dos santos), bem como a transubstanciação, o purgatório, as indulgências, o celibato clerical e as pretensões papais. Seus seguidores, conhecidos como os Lolardos, tinham a Bíblia como norma de fé que todos devem ler e interpretar. Com esse pequeno e resumido relato desse pré-reformador me pergunto: A igreja atual vive isso? A luta desse homem de Deus foi em vão? Eu arrisco a dizer que sim! Hoje o movimento neopentecostal prega exatamente tudo que Wycliff lutou contra na idade média. Venda de artigos “sobrenaturais” como lenços, canetas, promovendo peregrinações a montes de oração, oração dentro do peixe, e tudo isso em troca de dinheiro. Venda de lugares celestiais e a veneração de seus líderes, os batizando em apóstolos, pai-apóstolo... Tem muito líder religioso querendo o “prestígio papal” medieval. E a bíblia como norma de fé que todos deveriam ler e interpretar devidamente? Isso chega a ser surreal nos dias de hoje, que pena! Outro pré-reformador, João Hus (c.1372-1415), um sacerdote e professor da Universidade de Praga, na Boêmia, foi influenciado pelos escritos de Wycliff. Definia a igreja por uma vida semelhante à de Cristo, e não pelos sacramentos. Dizia que todos os eleitos são membros da igreja e que o seu cabeça é Cristo, não o papa. Insistia na autoridade suprema das Escrituras. Hus foi condenado à fogueira pelo Concílio de Constança. Seus seguidores ficaram conhecidos como Irmãos Boêmios (1457) e foram muito perseguidos. Cristo a cabeça da igreja, não homens! A vida cristã é pautada em várias considerações e imposições de lideres religiosos que não vivem nem pregam cristo e o evangelho autêntico. Como estamos distante da reforma, como estamos distantes de Deus!
Continuo meu raciocínio e surge na minha mente os cinco pilares de todos os reformadores influenciados pela pré-reforma (Martinho Lutero, João Calvino, Jon Knox, por exemplo), as “cinco solas”: sola Scriptura, solo Christo, sola gratia, sola fide, soli Deo gloria. A igreja conhece ou vive esses fundamentos da fé reformada, voltada a Cristo e a sua divina palavra? Vamos meditar mais um pouco ponto a ponto.

Sola Scriptura. (Somente a Escritura)

2Tm 3. 16-17: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra".
 Somente a Escritura. Considerada o princípio formal, por ter sido através da Palavra que tudo começou, Sola Scriptura afirma que somente os 66 livros da Bíblia são a autêntica e inspirada palavra de Deus. Somente a Palavra de Deus é o manual de fé e prática de todo cristão, não mais os decretos papais ou de concílios. E nos dias de hoje meus amados, a igreja dita protestante/evangélica, tem prezado pela palavra? O que temos visto são igrejas sem púlpitos, cultos sem pregação expositiva, igrejas sem doutrinas. Somente as escrituras meus irmãos, são o poder de Deus para a salvação (Rm 1:16)

Sola Fide (Somente a fé)

 Efésios 2. 8: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”.
Não são os sacrifícios, não são nossas obras, não são indulgências, não são nossos esforços. Nada, absolutamente nada nos garante a salvação se não a fé em Cristo Jesus! Somente a fé, esse é outra das cinco solas que fundamentam nossa fé reformada. Quantas igrejas hoje não testemunhamos ignorando esse fundamento primordial para todo o cristianismo? Somente pela fé somos salvos!

Sola Gratia (Somente a Graça)

Efésios 2. 8-9: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se gloria".
 A única causa eficaz da salvação é a graça de Deus sobre o pecador, (Ef 2.8). Pela graça somos salvos mediante a fé, e isso não vem do homem é dom de Deus. Nenhuma obra por mais justa e santa que possa parecer poderá dar ao homem livre acesso a salvação e ao reino dos céus, ocorrerá isso Somente pela Graça de Deus.


Sola Christus (Somente Cristo)

At 4.12: "E não há salvação em nenhum outro: porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dentre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos".
O homem nada poderá fazer para sua salvação, pois Jesus Cristo realizou a obra da redenção ao ser sacrificado na cruz do calvário, vertendo o seu sangue como sacrifício por nossos pecados. Esse "somente" mostra a suficiência e exclusividade de Cristo no processo de salvação. Desde a eternidade Deus promove a aliança da redenção, onde o beneficiário seria o homem e o executor dessa aliança seria seu Filho unigênito "Jesus Cristo, o Messias prometido", portanto somente Cristo é o instrumento de nossa salvação.

Soli Deo Gloria (Glória somente a Deus)

Salmos 90. 2- “Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus”.
A igreja romana ensinava e exigia uma devoção ao clero e aos homens santos que poderiam interferir diante de Deus para perdão de pecados e obtenção de bênçãos para os homens. Quando se estava na presença do papa e dos cardeais a reverência deveria ser tamanha, beirando as raias de adoração, onde se demonstraria uma total submissão a estes.
Fundamentado nas Escrituras Ef 2. 1-10; Jo 4.24; Sl 90.2; Tg 1.17 e tantos outros textos, os Reformadores concluem que somente a Deus devemos dar glória.

Com base nisso, podemos constatar que a reforma foi um instrumento de Deus para que os homens se voltassem para Ele, para sua Palavra que transforma, liberta e salva! Como estamos distantes da reforma da fé em Cristo! Como a igreja brasileira e mundial caminha a cada dia mais distante da Palavra, da fé, da Graça, de Cristo, de Deus! Temos o que comemorar? Claro que sim irmãos! Através desse fato histórico fomos alcançados com a verdade libertadora do evangelho e do amor de Cristo! O ponto preocupante é como a igreja pouco se importa para isso. “Sou reformado”. Essa expressão chega a ser ridicularizada por muitos cristãos. Mas sim, somos reformados. Se não somos reformados, estamos distante daquilo que Deus chama de sua igreja! Muitos movimentos e falsos ensinamentos têm inundado as igrejas contemporâneas, mas se olharmos um pouco para nosso passado, e entendermos a reforma como ferramenta de Deus para vivermos a Cristo, ai sim seremos de fato a igreja de Cristo! Deus tenha misericórdia de seu povo! Não precisamos de uma nova reforma, ela já foi feita, desde a Cruz, passando pelos reformadores, até o dia de hoje! Reforme sua vida e viva plenamente em Cristo!

Sole Deo Gloria

Lankaster Almeida Oliveira

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

11 de setembro e uma reflexão histórica de como precisamos de Deus.



Fazer história de fato abre minha mente e me ajuda a ter uma compreensão mais completa de como o mundo necessita de Deus! Esse texto trás uma reflexão sobre a necessidade que a humanidade tem urgentemente de Deus. Faço essa reflexão trazendo eventos históricos que são marcas profundas na história da humanidade para mostrar que não existe “lado bom” se o homem caminha sem Deus.
Enquanto a grande massa populacional relembra no dia de hoje o terrível "golpe terrorista" que os Estado Unidos sofreram pelo terror do oriente médio, a Al-Qaeda, personificado em Ossama bin-Laden, que ironicamente foi treinado pela CIA, Agencia de Inteligência Americana, nas campanhas mundiais contra a ameaça comunista, eu reflito sobre como a humanidade sem Deus é cega, sanguinária e hipócrita. Pois é, em 11 e setembro de 2001, essa criação se volta contra seu criador. Coitadinho dos EUA! O grande protetor da vida e da democracia foi atacado “do nada”... Será? Lembrarei a vocês outro “11 de setembro” esquecido, o de 1973. Outra capital foi devastada por bombardeios, aviões, tanques, uma cena tão igualmente aterrorizante da que fomos testemunhas das ocorridas em Nova Iorque. Estou falando do ataque americano a capital chilena Santiago. Os EUA foram decisivos na tomada do poder daquele país, um ato que passou longe do amor a vida e da humanização tão questionada nos atos de Ossama.  Então surge meu questionamento: Por que o ato de bin-Laden é terrorismo e os atos de Nixon e das bombas americanas em Santiago no ano de 1973 não são? De coitadinho e de protetor os EUA não tem nada! Lamento profundamente pelas vítimas dos dois "11 de setembro" e suas famílias.
Não estou defendendo ninguém, apenas quero por os "pontos nos i's". Se as cruzadas mataram tantos, se a expansão árabe matou tantos outros, se a corrida colonialista escravizou e matou muitos, se a inquisição matou milhares, se o Nazismo matou tantos outros milhares, se o comunismo matou milhões, a democracia (que caminha muito distante de seu real significado) e o capitalismo ocidental encabeçado pela potência mundial Estados Unidos da América já matou uma soma incalculável de pessoas, já subjugou outras milhares de pessoas sem ao menos uma chance de lutar e continua fazendo isso todos os dias. Será mesmo que existe lado bom nisso tudo?
Seja de que lado for não são as escolhas políticas, religiosas ou ideológicas que fazem desses sistemas menos cruéis do que outros. Não são esses sistemas, ou sistemas futuros que nos tornam pessoas dignas ou mais justas. Todos eles mataram milhares na tentativa de se impor perante o mundo, sem levar nenhum princípio bíblico. Enquanto o povo andar distante do Deus único e verdadeiro, o Altíssimo senhor e soberano de toda a vida e de todo o universo, sistemas serão erguidos e derrubados, matando, destruindo e apontando seus adversários como os vilões da história. Cabe a nós um olhar mais crítico para entender realmente essa política mundial de "mocinho e bandido". Todos são maus. Mas existe uma saída! Jesus Cristo morreu para trazer salvação a todos que nEle creem. (João 3:16) Ele é o único caminho, a verdade e a vida!(João 14:16) Não tenho dúvidas que o poder transformado do evangelho de Cristo (Romanos 1:16) é a ÚNICA solução para esse mundo que vive profundo vazio, e que tenta preencher isso com guerras, causas perdidas e sangue de seus próximos. Nem quero entrar aqui em outras questões sociais e nas questões da política suja e corrompida de nossa nação e de tantas outras. Tudo isso é fruto de um povo que anda distante de Deus.
Que Deus tenha misericórdia dos homens, mas faça justiça. Entendam isso: sem Deus, os homens caminham sempre nessas campanhas uns contra os outros. Apenas a presença de Deus pode nos trazer a verdadeira paz que tanto precisamos!


Lankaster Almeida Oliveira

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Eu não abro mão da Palavra de Deus!



“A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros...” Colossenses 3:16a

Graça e Paz queridos! Irmãos, algo tem me inquietado grandemente nos últimos meses: A igreja do Senhor não quer mais saber das Sagradas Escrituras! Que perigo queridos, que perigo! Vivemos em tempo diferentes, complexos, cheios de modernismo em todos os sentidos e áreas, e a igreja também tem mudado. Estratégias, técnicas, novas fórmulas, inovações... É! A igreja tem tentado se adequar aos novos padrões do século XXI, mas até onde isso é saudável? Igrejas onde o púlpito já não mais existe pra tirar a “caretice” do culto, os sermões bíblicos hoje são trocados por peças, canções, “celebrações”, vídeos, por tudo. O povo não quer mais saber da Santa Palavra de Deus. “Quanto radicalismo Lankas!” Radicalismo? Me mostrem na bíblia uma passagem que me ensine que devo abrir mão dos ensinamentos bíblicos para substituí-los por inovações humanas que tiro meu blog do ar! É sobre esse assunto que gostaria de pensar juntos com os amados irmãos: Não abro mão da Palavra de Deus!
Como bem sabemos, a Bíblia sagrada é a Santa palavra de Deus que Ele próprio nos deixou como guia, como fundamento, como lei, como direção. É através dela que buscamos mais a Deus, aprendemos mais de Deus, e onde podemos achar fonte de vida, poder para transformação e poder para salvação. Sem ela não passamos de pessoas desnorteadas em um tiroteio de ideologias mundanas. Quero aqui expor alguns pontos do porque não podemos abandonar o ensinamento das Sagradas Escrituras, nem trocar a pregação da Palavra seja onde for.

1º É pode de Deus para salvação

“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.”- Romanos 1:16

Como podemos levar as boas novas sem o ensino da Palavra de Deus? Como os perdidos poderão ser salvos pela Graça imerecida de Deus se não for pelo ouvir a Palavra de Deus? Irmãos prestem bem atenção. Paulo é claro nisso, não tem mistério! Sem o Ensino da palavra, sem salvação de perdidos! Lá em 1ª Coríntios 1:18 diz: “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.”  O livro de Atos, que trás o início da Igreja através dos apóstolos de Cristo me trouxe uma grande questão sobre isso. A igreja crescia, milhares se convertiam, e te pergunto: Era ou não unicamente através da pregação do Evangelho? Sim irmãos! A Palavra é o próprio poder de Deus, nunca esqueçam isso. Nunca será o jogo de luz ou o mais mirabolante evento e sua produção, mas é a Palavra de Deus que promove mudança real nas vidas das pessoas!

2º É através da Palavra que andamos em santidade.

“Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.” - Salmos 119:9

Irmãos, Deus nos vocacionou a termos uma vida em SANTIDADE! O Livro de Hebreus diz que sem santidade ninguém verá ao Senhor (Hb 12:14 ) e como vimos em salmos, é observando, ou seja, é lendo e aprendendo através da Palavra de Deus que purificamos nosso caminho, pois sem tal vida em santidade, não veremos ao Senhor, logo não entraremos no seu Reino. Isso é muito sério. Quando deixamos de lado a Palavra de Deus, caímos no erro, pois estamos negligenciando a vida em santidade que a palavra de Deus nos ordena. Veja o que o Pastor John Piper afirma: “Tirem minhas pernas, mas não minha Bíblia. Eu posso chegar ao céu sem andar, mas não sem a Palavra de Deus”. Que tremendo irmãos! Não deixe a Palavra de Deus “de lado”, pois assim ficará do lado de fora do reino de Deus.

3º Sem a Palavra, caímos por falta de sabedoria divina.

“O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não seja sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos”. Oséias 4:6
Nos como igrejas, caímos por falta de conhecer, e conhecer a sua Palavra. Quantas igrejas, irmãos, pastores, caem em falsos ensinamentos, heresias, escândalos por falta de viver a Palavra? Inúmeros! Quando trocamos a Palavra, seu ensino e sua importância em nossas vidas cairemos também em erro. Veja o que João Calvino afirma: “A verdade de Deus é mantida pela pregação autêntica do evangelho” (A arte expositiva de João Calvino – Steven J. Lawson) Não pregar a Palavra, não ensinar na Palavra, implica dizer que os ensinamentos e pregação são frutos de nossas próprias vontades, nosso querer. A igreja está submergida nos prazeres de nossos corações. A igreja caminha discipulada e ensinada em doutrinas de homens, na busca pelo culto perfeito para nossas plenas satisfações terrenas e carnais. Calvino diz também: “A igreja de Deus será educada pela pregação autentica de sua Palavra e não pelas inovações dos homens que as quais são como madeira, feno e palha” (A arte expositiva de João Calvino – Steven J. Lawson) Reflitam sobre isso também, pois perecemos por não conhecer sua Palavra. A igreja em Genebra, no século XVI, pastoreada por Calvino crescia e era referência em toda a Europa, o próprio reformador irlandês Jhon Knox, foi a Genebra para poder iniciar seu ministério, pois a igreja pastoreada por Calvino presava a pregação e a Palavra de Deus. Agora pergunto: Precisamos mesmo de algo mais do que as Escrituras? Calvino não precisou, sua piedade e seu amor pela palavra de Deus era o diferencial da igreja de Genebra. Paul Washer pontua um dos grandes problemas da igreja moderna: “Nosso cristianismo está baseado em músicos e não na Bíblia.

4º É através da Palavra que encontramos plena satisfação em Deus.

“Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam.” Lucas 11:28
São palavras do próprio Jesus queridos. Questionado por uma mulher em meio à multidão afirmando ela que bem-aventurada àquela que o tinha dado a luz, Jesus afirma categoricamente que bem-aventurado são aqueles que ouvem a palavra e as guardam. O termo bem-aventurado está ligado à plena alegria, a uma satisfação plena em Deus, logo, o prazer imensurável em fazer parte do reino de Deus e sua obra. Queridos, é através da Palavra ouvida e pregada que as pessoas encontram plena satisfação em Deus, logo não sendo dominados por nossas concupiscências carnais. Somos pessoas remidas pelo sangue do Cordeiro, o Espírito Santo de Deus habita em nós, o fruto do Espirito é a evidência de uma vida em Deus, que a buscamos através da comunhão com Deus e sua Palavra. Quando prezamos em ouvir e guardar a Palavra de Deus, alcançamos plena satisfação em Deus, e assim exercemos aquilo que o Senhor nos ensina através das Sagradas Escrituras (Tg 1:22).

Queridos, percebem como a ausência de uma vida regida pela Palavra de Deus é catastrófica? É através de sua Santa Palavra que propagamos as boas novas para os perdidos que é o poder de Deus, que também andamos em santidade, que não caímos nos erros e nos falsos ensinamentos, e que alcançamos plena satisfação em Deus. Ame a palavra, viva a palavra, pregue a palavra, escute a palavra, medite na palavra. Lutero afirma: “Qualquer ensinamento que não se enquadre nas Escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias”. Devemos rejeitar tudo que não se enquadre nas Escrituras, mas para isso, precisamos de uma vida dedicada e piedosa na Palavra de Deus. Para finalizar, não poderia deixar de citar o Apóstolo Paulo. Todos sabem quem foi Paulo e tudo o que ele fez, e como ele foi usado por Deus. Em 2º Timóteo 4:14 diz: “Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos”. Paulo estava preso, e ele fez esse pedido. Sua capa, seus livros, mas ESPECIALMENTE os pergaminhos. Paulo amava as escrituras Sagradas, e sabia que continuamente deveria meditar e viver o que elas ensinam. Mesmo preso, Paulo nunca deixou a Palavra de Deus. Tomemos mais esse exemplo. Eu não abro mão da Palavra de Deus!


Lankaster A. Oliveira

sábado, 29 de junho de 2013

Santos e rejeitados... nunca por Deus!



Quem nunca ouviu essa frase, que já virou um jargão: “Fulano de tal só que ser santarrão!” ou “Esse cara (essa mulher) arrota santidade!” ou como diz um artista do hip hop gospel, “... tenha cuidado com as pessoas que arrotam santidade”. Pois é, santarrão, vomitando santidade, arrotando ser santo, tudo isso é veementemente repudiado pelos cristãos hoje em dia. De fato existe a pseudo-santidade, mas aos que a preticam, so ofendem a si mesmo, mas isso me preocupa. Preocupa-me pelo fato de que quem é santo, e reflete santidade, é o errado hoje em dia, dias esses que o “vale tudo” é tendência dentro das igrejas. O enraçado é que o “ser santo” é a vontade de Deus para aqueles que se dizem filhos amados do pai.
Um cristão que não é santo é uma contradição de tudo o que a Bíblia ensina.” (Stephen Charnock 1628-1680) Essa é uma grande verdade. O puritano inglês do século 17 Stephen Charnock traz a tona uma das grandes características da igreja inglesa, a santidade. Além dele, o Bispo J. C. Ryle, esse no século 18, fala com muita propriedade sobre esse tema em sua obra mais famosa, Santidade. Diferentemente dos dias de hoje, santidade era a marca do cristão autêntico, que fazia diferença. Que saudades desse tempo. Hoje, nesse tempo em que tudo é permitido, a santidade que Deus nos recomenda em várias passagens da bíblia, esta sendo mal vista pelos cristãos, que perigo! Quero aqui expor em três pontos do porque PRECISAMOS ser santos.  

Santidade, chamado de Deus!
Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação.” (1 Ts. 4:7
Deus nos quer santos. Isso mesmo. Santos! Nesse tempo de “tudo pode”, as imundícies tem tomado conta de nossas vidas, e não ao que fomos chamados, a santidade ao Senhor. Todos conheceram a história de Daniel e seus amigos, ele não se deleitou nas finas iguarias do rei, ele era justo, ele era santo, assim como o senhor é. Precisamos entender que Deus nos chamou pra sermos santos, e parar com essa história de “santarrão” para pejorativamente atingir pessoas que nos incomodam ou simplesmente não nos damos bem. E amados, um recado. Se você é chamado assim, não se incomode, você esta atendendo o chamado de Deus, e para você que sente-se incomodado com os santos, tente imita-los. Paulo mesmo nos orienta quanto a isso: “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo. (1 Coríntios 11:1)

Porque Deus é santo!
“Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver;” (1 Pedro 1:15)

Usando as palavras de Hernandes Dias Lopes, “Jesus Cristo é o nosso exemplo de vida supremo.” Devemos ser santos, também porque Ele é santo. Devemos seguir seu exemplo, devemos também nos espelharmos em seus seguidores. Paulo, Elias, Jeremias, Jonathan Edwards, C.H. Spurgeon, J. C.Ryle e tantos outros servem de inspiração e de modelo, além de Jesus. Mas sabe qual o grande problema? Os descolados, os legais, os maneiros, os exemplos muitas vezes não são os que buscam santidade, não são os que tem compromisso com Deus e sua obra, não são os cooperadores. São exemplos os que pregam a liberação total, os cristãos nominais, os que acham que o que da certo, é certo. Precisamos pensar a luz da bíblia, quais exemplos que seguimos. Cuidado em todos os seus passos amados!

Santidade, caminho para Deus!
Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; (Hb 12:14) 

O escritor sagrado do livro de Hebreus deixa bem claro que a santidade ao senhor é um caminho. Sem santidade amados, não veremos a Deus. Precisamos travar essa batalha interior. Sim, a santidade incomoda, mas deve prevalecer, morremos para nossas vontades e pecados. Vivemos para Cristo! Precisamos sim ser santos para que possamos ver à Deus, só assim conseguiremos amados!

Santidade deve ser marca em nossas vidas e servir de farol para outras pessoas. Incomodar outras pessoas a serem santas também. Não se incomode com a perseguição, as palavras duras de quem não entende que santidade é nosso dever, é nossa vida, é nossa marca. Sinta-se um privilegiado se isso acontecer, pois estará vivendo a vontade de Deus em sua vida, que é boa, perfeita e agradável. (Rm 12:2). Para encerrar e te encorajar a santificar-se perante ao Senhor, cito uma frase de um grande homem de Deus, Agostinho: “O pecado é o motivo da tua tristeza. Deixe que a santidade seja o motivo da sua alegria”



Lankaster A. Oliveira

quinta-feira, 23 de maio de 2013

A Igreja brasileira e seus deuses.

                                      Assim como na foto, queremos moldar Deus a nosso gosto.



Depois de passar um tempo consideravelmente extenso sem publicar nada em meu blog, achei melhor começar essa nova etapa com um assunto que tem me incomodado. Venho notando que nas igrejas muitos deuses têm sido pregado, mas nenhum deles é o Deus bíblico e verdadeiro.

A idolatria tem afogado nossos irmãos e igrejas por todo o Brasil. Os tele-pregadores, os cantores, pastores, irmãos de nossas igrejas, nossos namorados e namoradas, esposo ou esposa, instituições dos mais diversos seguimentos, nossos bens materiais, nossos estudos... A lista é enorme do que tem um grande potencial de estar tomando o lugar em nossos corações que deveria ser de Deus, logo somos idolotaras, que lastima!  Mas não quero falar disso nesse texto, não hoje pelo menos. Esses deuses a que me refiro, não são esses que citei, mas as falsas e heréticas versões da pessoa magnífica de Deus.

Duas coisas percebi com essa reflexão. A primeira delas é que a igreja, ou seja, nos, não aceitamos Jesus, não nascemos de novo, não lemos a bíblia, não temos comunhão com Deus, logo desconhecemos a Deus. E a segunda observação é parcialmente consequência dessa primeira, como também resultado dos falsos ensinos dentro de nossas igrejas, por pessoas descompromissadas com a verdade pura e simples do evangelho. Trata-se de formamos um deus que seja exatamente como “precisamos”, seguindo nosso querer, vontade e tendência ao pecado. A grande maioria sabe os danos que o mercado gospel musical tem trazido a igreja. São músicas que pregam um deus que está disposto a fazer tudo que queremos. Isso é preocupante. Mas nos sermões da igreja de hoje, o ensino, a exortação, a mensagem da Cruz, o pecado, o inferno, não tem sido pregado. Prega-se apenas os benefícios de Deus, que Deus faz isso e aquilo, basta que nós determinemos isso. As pessoas visualizam e mentalizam um deus que ama seus pecados, que tolera nossa barganha, que podemos fazer Deus chorar por exemplo. O presbítero Jean da IEC do Calvário em Bodocongó III, disse há pouco tempo uma grande verdade: “Adoramos a Deus com um saco de açúcar, e queremos em troca uma caixa de chocolates da garoto.” O deus da barganha, que ama nossos pecados, que na ultima hora irá salvar todos da terra, mesmo os que não andaram em justiça e retidão ou que muito menos são convertidos, um deus que corre e chora por nós, um deus que nos obedece, um deus que apenas cura, apenas nos da bens materiais, um deus que salva segundo nossas obras... Eu estou cheio disso! “Assim diz o SENHOR: Por três transgressões de Judá, e por quatro, não retirarei o castigo, porque rejeitaram a lei do SENHOR, e não guardaram os seus estatutos, antes se deixaram enganar por suas próprias mentiras, após as quais andaram seus pais.” Amós 2:4. Judá se deixou levar por falsos ensinos, falsos deuses, na busca por negar ao Deus verdadeiro e se deleitarem em sua natureza pecaminosa sem culpa, e como vimos, Deus reprova a atitude de Judá veementemente.

A igreja do Senhor precisa se arrepender (Atos 2:38), a ter um encontro verdadeiro com Deus, estudar a palavra de Deus, ter comunhão com o Senhor, só assim para entendermos que Deus não é mutável aos nossos desejos, entender que Deus é amor, mas também justiça. Também precisamos aprender que devemos temer ao Senhor, obedecer a seus ensinamentos. Precisamos mortificar a carne e deixar Deus guiar nossas vidas. (Jeremias 42:6). Para finalizar, o Deus que devemos pregar, professar e crer, é o único que salva “Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há Salvador.” Isaías 43:11. Não vamos seguir o exemplo de Judá, que adotou Baal como Deus, para se deleitarem sem culpa alguma em sua carne e entendimento. Em 1ª João, capítulo 5, versículos 20 e 21 diz o seguinte: “E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém.” Ou seja, conheçam o Deus verdadeiro, porque a verdade esta nele, e não se sujeite aos falsos deuses, que assim seja!